A revolução do grafeno

Partindo de experiências com grafite, o grafeno (derivado do carbono, identificado nos anos 1930) substituirá o silício e possibilitará um salto tecnológico sem precedentes. No Brasil, a universidade Mackenzie dá os primeiros passos para desenvolver o material

Pense em acordar e, ao escovar os dentes, ter diante dos olhos, integrada ao espelho do armário, uma interface tecnológica que permitirá acompanhar as notícias do dia, deixar recados ou organizar outras tarefas de casa. Imagine carregar no bolso da calça ou do paletó o próprio computador ou um projetor de 50 polegadas dobrado ou enrolado. E que tal ter um celular que pode ser utilizado como uma pulseira ou dormir na total escuridão em um quarto com janelas cuja transparência pode ser controlada por dispositivos integrados ao vidro, sem o auxílio de cortinas ou persianas? E o melhor, todas essas transformações acrescidas de outras vantagens: a utilização de uma matéria-prima cuja resistência é 200 vezes superior à do aço e, não bastasse, quase transparente, impermeável e extremamente flexível. Pois tudo isso, e muito mais, fará parte da rotina de consumidores globais na próxima década, graças ao grafeno, material de dimensões nanométricas (a milionésima parte de um milímetro), que substituirá o silício e, como seu antecessor, propiciará avanços científicos e tecnológicos sem precedentes, no que está sendo chamado (em alusão ao material que tornou célebre o Vale do Silício, o parque tecnológico da Califórnia, nos Estados Unidos)  “Segunda Revolução Tecnológica”.

Identificado por cientistas na década de 1930, o grafeno é derivado do carbono e sempre teve fins de baixa tecnologia, como a utilização em lubrificantes e para a produção de grafite. Em 2004, estudando possíveis saídas para o esgotamento da Lei de Moore (criada, em 1965, pelo cientista Gordon E. Moore, um dos fundadores da Intel, previu que, a cada dois anos, a capacidade de armazenamento e velocidade dos hardwares dobraria) Andre Geim e Konstantin Novoselov, dois físicos russos que atuam na Universidade de Manchester, na Inglaterra, iniciaram experiências que radicalizariam as possibilidades de aplicação do grafeno. Isolando partículas cada vez menores do material, até chegar a dimensões imperceptíveis a olho nu, os físicos chegaram a um material, bidimensional, como uma folha de papel, composto por átomos de carbono densamente alinhados em uma rede cristalina com formato hexagonal e um átomo de espessura, com alta condutividade térmica e elétrica.

Reprodução de transistor com dimensões nanométricas (a milionésima parte de um milímetro), feito com grafeno. Material substituirá o silício em diversas aplicações tecnológicas

Desde então, os físicos se empenharam para conseguir uma façanha divisora: desenvolver um transistor, feito à base de grafeno, de dimensões nanométricas, que possibilitasse uma aplicação tecnológica capaz de substituir, com uma infinidade de vantagens, o silício – grande responsável pelas pequenas revoluções que vimos surgir de 2000 para cá: os televisores cada vez mais finos, os computadores e smartphones com capacidade de processamento e armazenamento de dados muito superiores aos da década de 1990, a ampliação da banda larga de internet, entre outras. Mas se esses avanços já foram capazes de surpreender milhões de pessoas ao redor do mundo e instaurar novos hábitos de consumo, o que veremos pela frente, com exceção dos carros voadores, faz lembrar o futuro imaginado pelos Jetsons, o desenho da Hannah Barbera que instigou gerações de crianças nos anos 1970 e 80, quando essas tecnologias ainda engatinhavam.

Além das possibilidades tecnológicas, o grafeno também será fundamental para o futuro dos processos industriais e fornecerá novos insumos para automóveis, aeronaves, satélites, células solares e até coletes à prova de bala. No campo da biomedicina e da indústria farmacêutica, o grafeno possibilitará controlar o crescimento de células-tronco, combater tumores, criar remédios com nanorrobôs que serão liberados na corrente sanguínea, além de construir músculos artificiais. Em 2010, em justo reconhecimento da comunidade científica, os dois pesquisadores russos foram agraciados com o Prêmio Nobel de Física.

Grafeno made in Brazil
O maior centro de pesquisas mundiais do grafeno é a Universidade Nacional de Cingapura, que criou uma divisão especialmente dedicada à pesquisa do material, o Graphene Center, conduzido por um brasileiro que é Ph.D. em física, Antonio H. Castro Neto. E a possibilidade do Brasil começar a desenvolver grafeno, ainda nessa década, é bastante factível. A Universidade Presbiteriana Mackenzie está dando os primeiros passos para tornar essa ex­pectativa uma realidade. Em entrevista à Inovação!Brasileiros, o professor Eunézio Antonio de Souza, doutor em Física pela Unicamp (Universidade de Campinas) antecipou a boa nova: “Estamos formando uma equipe experimental para tornar o grafeno um produto também feito no Brasil em um prazo médio de cinco anos. Até lá, espero que a variação seja no quanto estaremos acima dessa meta. O centro terá três frentes: para aplicações em química, engenharia de materiais e fotônica”.

Smartphone conceito da Philips, feito com grafeno, que pode ser utilizado como pulseira

Souza, ou Thoroh, como é chamado por todos na Mackenzie (nome artístico adotado pelo próprio professor que, dado curioso, também é cantor de ópera), é uma autoridade quando o assunto é fotônica, a tecnologia utilizada para a construção de fibras óticas. Thoroh é também especialista em física de lasers, amplificadores ópticos, moduladores de poços quânticos e retina artificial. Estará à frente de um visionário projeto idealizado pelo reitor, doutor Benedito Guimarães Aguiar Neto, que deverá ser desenvolvido pela universidade a partir de 2013. “A pesquisa sobre o grafeno é uma das áreas estratégicas prospectadas por nós, tanto por permitir que aproveitemos todo o potencial existente na universidade quanto pelos benefícios que pode trazer à sociedade e pela contribuição à competitividade do País”, afirma o reitor.

Thoroh fala com entusiasmo sobre o grafeno: “É um elemento milagroso, com características superlativas e específicas, excelente condutividade elétrica, cerca de mil vezes mais rápida que a do silício. Além disso, ele é quase transparente, muito resistente e ao mesmo tempo maleável. Como ele é bidimensional, como uma folha de papel, vai propiciar uma revolução na área que chamamos de eletrônica flexível. Essas aplicações já estão sendo utilizadas por grandes empresas, como IBM, Intel, 3M e Samsung”.

Tradicional na formação de mão de obra para as diversas frentes da engenharia no País, a universidade Mackenzie foi responsável por um avanço recente produzindo uma solução de ponta que já chegou aos lares de milhões de brasileiros, como esclarece Leila Figueiredo de Miranda, doutora em Tecnologia Nuclear pelo Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares – IPEN, da Universidade de São Paulo, e diretora da Escola de Engenharia da Universidade Mackenzie: “Temos um núcleo de pesquisas em TV digital onde foi desenvolvido – em parceria com outras universidades, mas com um grupo de pesquisadores majoritariamente nossos – o modelo para o sistema brasileiro de transmissão digital, que também foi adotado em toda a América Latina”.

Thoroh, que recentemente foi à China participar de um congresso sobre grafeno, dá outras pistas sobre as intenções da universidade, que em 2013, revelará para a comunidade acadêmica o planejamento para a implantação do novo centro de pesquisa. “Buscaremos, em um primeiro momento, explorar as propriedades óticas do grafeno, pois a fotônica é nossa grande especialidade. Vamos nos servir da nanotecnologia para tornar a comunicação ótica mais rápida e fazer uma internet muito mais veloz do que a que temos hoje. Faremos pesquisas para criar dispositivos que serão incorporados a sistemas utilizados nas redes de comunicação que governam o mundo. Poderemos construir lasers baseados em grafeno e já até fizemos isso em nosso laboratório. Investiremos o que for necessário, porque há uma grande projeção de mercado para o Brasil. No País, existem vários grupos trabalhando com nanotecnologia, mas a maioria deles são grupos teóricos. Nosso diferencial é que somos um grupo experimental aplicado. Fazemos tudo com um viés aplicável e temos a potencialidade de formar muitos alunos que vão gerar novos produtos e riquezas para o País. Essas são algumas de nossas metas.”

O desafio de colocar o Brasil no mapa tecnológico internacional também instiga a professora Leila. Para ela, a inserção do País no mercado mundial do grafeno será um marco para as relações comerciais externas e o novo centro de pesquisas da universidade Mackenzie terá um papel fundamental: “O Brasil tem que deixar de ser somente um exportador de commodities. O País não vai crescer plenamente se não desenvolver suas próprias tecnologias. Essas inovações passam pelas diversas áreas da engenharia onde temos tradição consolidada além de uma forte interação com outros centros de pesquisa, como o IPEN, a USP, a Universidade de São Carlos, a Unicamp e a Universidade Federal da Paraíba. Nos últimos 15 anos, fizemos grandes investimentos em pesquisas. Conseguimos patentear soluções utilizadas por empresas como a Magneti Marelli e a Renault e nossos alunos têm grande empregabilidade no mercado. Ontem, foi anunciado o prêmio Nokia-Siemens dedicado a mulheres que atuam na área de tecnologia e, pelo segundo ano consecutivo, uma aluna da universidade foi a vencedora”, comemora ela.

Prever o futuro pode até ser um exercício de subjetividade, mas é fato: ele será escrito com o mesmo grafeno, encontrado em lápis e lapiseiras, que desde crianças nos ajuda escrever a nossa própria história.


Tags:

Lista de Comentários

    João Cabral - 22 de outubro de 2013

    Grafeno, parte para grande e forte.
    O Brasil é grande e de grande taletos, mas nossas energias são sempre voltadas a o acaico. Nossos taletos vão para ter o conhecimento nacional, mas no retorno tem o esquecimento.
    Comecei fazer engenharia civil na década de 80 na Mackenzie, fui para o Iraque ganhar dinheiro e voltar, por dez anos fique rodando o mundo, não prossegui com os estudos.
    Hoje fabrico equipamento especiais para pequenas fabricas familiares de alimentos derivados da mandioca, cana de açúcar, frutas nativas e cultivadas e frutos das mais variadas palmeira do Brasil, o GRAFENO na sua capacidade de armazenar energia e transformar no futuro breve ira me ajudar levar esta unidades para os grotões do nosso interior soluções técnicas na produção de guloseimas de características regionais de altor teor nutritivo para um mercado de massa com qualidade e apresentação, e nutrimo aquele brasileiro dos grotões a não ficar no atraso e na miséria social sem oportunidades real, sendo só suprido de esmolas e educação escolar de faz de conta.
    Tenho historias pelas caatingas e cerrados, com minhas fabricas, que eu denomino AGROINDÚSTRIA POLIVALENTE INTEGRADA.

    Gostei(0)Não Gostei(0)
    Responder

    rafael lima - 5 de agosto de 2013

    sou estudante de engenharia ambiental da UFAL e meu intuito é atuar como pesquisador, estou no início do curso mas já busco atividades extras para me envolver e aproveitar o tempo livre obtendo o conhecimento necessário para minha formação, gostaria de manter-me informado sobre as pesquisas com grafeno da mackenzie, pois me interesso muito pela área de materiais e gostaria de me envolver, em breve, com pesquisas relacionadas.obrigado e parabéns!

    Gostei(0)Não Gostei(0)
    Responder

    É um pássaro? É um avião? Não, é o “super” Grafeno | Ser Engenhoso - 22 de julho de 2013

    [...] A revolução do Grafeno [...]

    Gostei(0)Não Gostei(0)
    Responder

    Robson - 17 de julho de 2013

    Sou estudante de Direito e eu gostaria de ter as seguintes "coisas" confeccionadas em grafeno.

    Roupas, altamente resistentes, maleáveis e inteligentes. Dotadas de software e a prova de balas/fogo e outros perigos. E com algumas engrenagens/motores que me auxiliem na movimentação. Essa roupa deve ser mantida com energia microbiana. E deverá ser possível deixar ela com qualquer aparência.

    Eletrônicos, quero tudo em um só lugar. Computador, Celular, relógio, câmera digital em uma única folha de grafeno e essa folha deve ter tecnologia holográfica e de reconhecimento de movimentos/voz e até cheiro, deverá ser pequena para usar nos dedos, punho, cabeça em fim. Com energia microbiana também.

    Casa, com todas as paredes de grafeno, boa parte delas com dispositivos operáveis, conectada à minha conta em alguma nuvem, assim como a minha roupa e a minha folha de grafeno devem estar conectadas.(PC, Celular e etc)

    Automóvel, desenvolvido com tecnologia de grafeno, talvez toda a sua estrutura em grafeno. Totalmente conectado, resistente e leve. Voador ou terrestre ou aquático, deverá ser versátil nesse sentido.

    Toda a energia deverá ser de fontes infinitas, como a energia microbiana por exemplo entre outras que poderão ser exploradas. A transmissão da energia não deverá usar "fios" ou semelhantes, deverá ser "Wireless".

    O mundo todo deverá estar conectado, com tecnologia de transmissão de dados de longuíssimo alcance e de fácil propagação para que cada indivíduo possa tanto receber dados como enviar de longas distâncias. Os indivíduos deverão ter capacidade autônoma de enviar dados e de recebe-los, sem auxílio de satélites ou antenas, cada um deverá ser um satélite/antena de ultra/mega/hiper alcance. O dispositivo responsável por isso pode estar acoplado na "folha de grafeno".

    Tenho pressa em todos esses itens, portanto rápido por favor.

    Brincadeira pessoal, mas seria muito legal não? =D

    Gostei(0)Não Gostei(0)
    Responder

    Ricardo Barcos - 1 de julho de 2013

    Professor, feliz em saber que nossos estudos vanguardistas poderão beneficiar outros tantos gênios como o senhor também em nosso País. Como sugestão,levantaria a bandeira para os órgãos federativos a estruturarem uma forma de nossos maiores estudiosos, participarem efetivamente também, sobre os ganhos de suas descobertas, assim como acontecem todos os dias no resto do mundo e muito diferentemente do que fizeram com nossa grandiosa e maravilhosa Embrapa, onde pesquisadores terminam grandes estudos em suas garagens sem financiamento algum. Parabéns mais uma vez.

    Gostei(0)Não Gostei(0)
    Responder

    Rafael - 1 de abril de 2013

    Sou vidraceiro e terminei só o ensino médio e gostaria de saber em que eu deveria me especializar para no futuro poder trabalhar nessa area

    Gostei(0)Não Gostei(0)
    Responder

    Natália - 14 de março de 2013

    Biologa e mestre em Engenharia de Materiais pela Universidade Mackenzie, feliz e orgulhosa pelos brasileiros que não desistem e buscam melhorias e inovações que beneficiam toda a sociedade.

    Gostei(0)Não Gostei(0)
    Responder

    Léo Saldanha - 11 de fevereiro de 2013

    Sou sonoplasta, artista e pesquisador por natureza, venho pesquisando sobre este tema há tempos, essa informação me deixou muito contente e curioso. Concordo plenamente que devemos gerar tecnologia própria e não apenas matéria-prima!!

    Gostei(0)Não Gostei(0)
    Responder

    Francisco Soares Costa - 21 de janeiro de 2013

    Sou formado em ciência da computação e esse assunto me interessa bastante. Também compactuo que o Brasil deve gerar tecnologia e não somente usar as tecnologias estrangeiras. Parabéns.

    Gostei(0)Não Gostei(0)
    Responder

    Nelson Guilherme Bardini - 16 de janeiro de 2013

    Sou Eng. Civil e Eletricista pela Universidade Mackenzie 1961.
    Tenho mais de 200 pedidos de patente no INPI
    Sou o inventor do "Cartão para Telefone Público", empregado no Brasil desde 1992.
    Tenho feito experiências, em meu lab. particular, com o Grafeno e, acredito ter encontrado um meio de transformar energia térmica em elétrica, de forma viável.
    Como Mackenzista, teria imenso prazer em participar desse Centro de Pesquisas em Grafeno.

    Gostei(0)Não Gostei(0)
    Responder

Deixe um comentário

  • (will not be published)

XHTML: Você pode usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>